• Mobiltracker

O que levar em conta na hora de trocar de carro?



Com a chegada do final do ano, muitas pessoas pensam em trocar de carro, aproveitando a entrada do 13º ou outras bonificações para dar uma entrada. Mas sabemos que o mar não está para peixe em termos econômicos e, assim, surge a dúvida se esse realmente é o melhor momento e o que levar em conta na hora de trocar de carro.

Para ajudar nessa reflexão, vamos dar algumas dicas para que você reflita e tome a decisão mais acertada para o seu caso.

Antes de mais nada, pergunte-se o quão essencial é o uso do carro no seu dia a dia. Você realmente utiliza ou ele passa mais tempo na garagem? Ele é utilizado apenas para atividades pessoais ou é utilizado para o trabalho? Veículos utilizados para o trabalho tendem a ser mais rodados, sofrendo um desgaste maior, mais rápido. Assim, eles exigem trocas mais frequentes para evitar prejuízo.

E esse é um fator essencial que deve pesar na decisão, pois manter o carro antigo pode ser mais caro do que optar pela troca. Isso porque depois de um certo tempo de uso, o veículo começa a exigir mais manutenção e reparos emergenciais, além de aumentar o consumo de combustível ou, na pior das hipóteses, começar a deixar você e sua família na mão!

Ao botar na ponta do lápis, o custo de trocar pode se pagar em um curto espaço de tempo e, nesse caso, a melhor opção é a substituição do bem. Confira abaixo uma lista das dúvidas mais comuns na hora de trocar de carro:

1. Novo ou usado?

O carro novo é o sonho de muita gente, mas ao sair da concessionária, ele já perde valor de mercado. Às vezes, você pode achar um usado semi-novo mais completo pelo mesmo valor de um 0km com menos recursos, em especial considerando a rápida desvalorização de algumas marcas.

Para tomar essa decisão, analise a Tabela FIPE dos últimos anos e veja como costuma ser a desvalorização do “candidato”. Olhe nos anúncios e veja por quanto o mercado da sua cidade pratica esse modelo. Considere que sempre é possível conseguir uma boa negociação nas concessionárias e muitas vezes, financiamento direto com juro zero. Mas cuidado com o comprometimento de renda para que o sonho não comprometa a sua qualidade de vida!

Caso a opção seja pelo usado, nada de se emocionar com o negócio da China com o carro brilhando, aparentemente novo e muito barato. Tome muito cuidado! Primeiro, verifique o valor de mercado do carro. Veja quantos km ele tem rodados e como têm sido a desvalorização. Parece bom? Peça para seu mecânico de confiança avaliar o estado geral do motor, carcaça, itens de segurança, etc. Se o carro já foi batido, pode ter avarias ocultas. Peça para fazer um test drive para verificar se existe algum ruído ou problema aparente.

2. Além do preço do carro, quais os custos adicionais?

Há quem diga que um carro é uma segunda família. E não deixa de estar certo! Junto com o veículo, vêm custos de manutenção, combustível, seguro, garagem, manutenção e vários outros. Por isso, independente de o veículo ser novo ou usado, faça uma boa pesquisa sobre os custos gerais. Dê grande atenção para os seguintes itens:

  • Fabricação: O carro é de fabricação nacional ou importada? Se precisar de reposição de peças, existem as peças no mercado nacional?

  • Manutenção: Em geral, esse é um carro que costuma dar muita manutenção? Leia a avaliação de proprietários em canais como o Guia Quatro Rodas e outros rankings.

  • Seguro: Quanto custa o seguro? Esse é um fator especialmente importante no caso dos usados. Muitas seguradoras não fazem seguros para carros com mais de 10 anos e, em geral, o seguro de carros com mais de cinco anos costuma ser mais alto. Esse é outro fator que influencia a escolha do modelo, pois carros esportivos tendem a ter um valor de seguro mais alto, dentre outros fatores.

  • Consumo: Como é o consumo de combustível? Esse é outro item que pode ser visto nos rankings de revistas, como a Quatro Rodas. Atente-se para o tipo de uso que você faz, pois os veículos têm consumo diferente na estrada ou na cidade.

Com base nos dados divulgados pelo Cesvi – Centro de Experimentação e Segurança Viária, os carros com menor custo de manutenção são:

  • Chevrolet Celta 1.0

  • Toyota Etios Sedan 1.5

  • Fiat Fiorino 1.4

  • Volkswagen Gol 1.0

  • Fiat Uno 1.4

Obs.: Para saber sobre outros modelos, clique aqui.

3. O carro é visado para roubos?

É triste isso, nós sabemos! Mas alguns modelos são mais visados para roubos. Por isso, consulte o ranking dos modelos mais roubados. Dê preferência em buscar dados da sua região. Nesse link você pode visualizar os 50 carros mais roubados em 2015 no Brasil.

4. Qual o principal uso do veículo?

Lembre-se que ter um rastreador veicular pode reduzir o custo do seguro. Saiba como economizar na escolha do seguro automotivo, clique aqui.

Esperamos que nossas dicas possam ajudar você a tomar a melhor decisão sobre trocar de carro :)

Equipe Mobiltracker

#DicadoMobiltracker #Mobiltracker #RastreamentoVeicular

0 visualização
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
mouse (1).png

© 2013 - 2020 Mobiltracker . Plataforma de Rastreamento